quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Confissões de um capivara

Folheando um livro de xadrez, fiquei intrigado com a abertura de uma partida. Fui conferir nos bancos de dados e, mesmo encontrando alguma coisa, não fiquei satisfeito. Resolvi recorrer ao google, o salvador da pátria quando o Chapolin Colorado não está disponível! Clica daqui, clica dali e duas horas depois me peguei assistindo vídeos antigos dos Beatles no You Tube!!

Pensei com meus grugumios: se um dia eu enfrentar essa abertura terei que cantar pro adversário "I want to hold your hand".

Brincadeiras à parte, isto vive acontecendo comigo. Eu sou assim, dispersivo. Acho que é por isso que nunca consegui estudar xadrez de uma forma mais metódica, organizada. Já tentei alguns métodos e até bolei um sistema legal, a fórmula mágica, que poderia ter ajudado se eu fosse mais disciplinado e persistente.

Interessante é que antes eu usava como desculpa a falta de tempo, o que não se aplica agora. Hoje minha justificativa é a idade. Já estou velho demais pra levar o xadrez a sério, o negócio é a diversão. Não deixa de ser verdade, mas vencer é sempre mais divertido, né mesmo?

Já pensei em contratar um instrutor, talvez seja uma experiência válida. Não por muito tempo, não posso me dar esse luxo, mas por um período suficiente para que ele me mostre alguns atalhos de forma que eu possa seguir sozinho, sem me perder. Acho que daria certo porque eu seria cobrado e teria que apresentar resultados... ou estaria jogando dinheiro fora.

Devaneios...

Quem aí já leu um livro de xadrez corretamente? digo, ler o livro todo, do princípio ao fim. Estudar as partidas, fazer os testes e exercícios, etc. Eu nunca fiz isto! Tenho um monte de livros e nunca estudei pra valer nenhum deles! Estou sempre folheando um ou outro, de forma desordenada. Vejo uma partida aqui outra ali, mas nunca profundamente. Exercícios, então, são raros os que pego pra valer. Fica tudo pra depois, pra quando eu tiver um tempinho... :)

Resolvi mudar isso. Separei alguns livros e deixei sobre a escrivaninha. Um deles seria o escolhido para ser lido/estudado do início ao fim, como se deve! Botei um marcador na primeira página de cada um deles e... opa, que tal usar todos? o estudo fica mais abrangente e menos maçante!

No xadrez tem uma máxima que diz que "é melhor um plano ruim do que nenhum plano" e isto também se aplica na questão do treinamento. Mesmo um sistema que não seja lá essas coisas é melhor do que nada.

A idéia "pode não ser uma brastemp" mas é interessante... e tem funcionado!! Isto é, ainda estou engatinhando e a coisa tá bem devagar... mas tá indo. Em um próximo post eu digo como estou fazendo e mostro quais os livros que estou utilizando.

Ps.: Hoje é o Dia do Enxadrista. Data escolhida por ser o dia do nascimento do grande Capablanca. 
Parabéns a todos!

5 comentários:

gbsalvio disse...

Amigo Masegui, vc pode pensar que é brincadeira, pois vc acha que sou muito "forte", ou pelo mais forte que vc em xadrez... O que sei é que vc não acredita muito em vc mesmo, ja percebi mais de uma vez isso em seus comentários. O que me leva a escrever isso é que sou exatamente como vc, tenho uma porção de livros e nunca estudei nenhum a sério..! Incrivel mas é a mais pura verdade.
UGA

Masegui disse...

Sávio,

Tens razão, claro. Eu gosto de vencer, mas sem fazer muito esforço... e assim não dá, né!

Após meus 4 empates em Itaúna um amigo me disse "você se contenta com pouco". Pura verdade... estou tentando superar estas deficiências... mas sem muito esforço também, he he he.

Abração, meu amigo!

ghandy disse...

Amigo Masegui,

Isso é normal, já passei por várias vezes e culpa da nossa educação superficial e sem disciplina
O engraçado que parei vários livros, o único que li e fiz todos os exercícios foi o Manual de Xadrez do Idel Becker.
Força amigo, aproveita a sua aposentadoria e estudo não só xadrez, filosofia, arte. Atualmente estou estudando o livros de finais do Seiravan e o A Arte da Guerra do Sun Tzu para aplicar ao xadrez.

ghandy disse...

Amigo Masegui,

Isso é normal, já passei por várias vezes e culpa da nossa educação superficial e sem disciplina
O engraçado que parei vários livros, o único que li e fiz todos os exercícios foi o Manual de Xadrez do Idel Becker.
Força amigo, aproveita a sua aposentadoria e estudo não só xadrez, filosofia, arte. Atualmente estou estudando o livros de finais do Seiravan e o A Arte da Guerra do Sun Tzu para aplicar ao xadrez.

Masegui disse...

Welton,

Só agora vi seu recado. Costumo vigiar se tem número par de comentários, porque respondo a todos, mas o seu saiu em duplicidade e isto me enganou...

Obrigado pelas dicas, abração amigão.