sexta-feira, 3 de julho de 2009

Petrossian Mineiro

No último post eu fiquei devendo uma partida mais recente do Rogério Fontoura. Consegui as partidas do Aberto do Brasil de Conceição do Rio Verde e pagarei minha dívida. Antes, porém, lembrei-me de um fato interessante que deixei de citar no post passado:

Nos velhos tempos de GV, enquanto eu e a maioria do pessoal jogávamos sempre "partindo pra cima" e atacando de qualquer jeito, Rogério, com seu jeitão tranquilo e sua técnica superior, ia na lenta, na maciota, só cozinhando o galo. Quando a gente menos esperava... vapt na jugular! não dava outra. Por causa disso eu o apelidei de "Petrossian Mineiro". Era molecagem, mas guardadas as devidas proporções, o apelido vem a calhar.

Chega de conversa e vamos à bela vitória do meu mestre sobre o fortíssimo Gazel:



Mais uma do Rogério:

Em nosso bate-papo na semifinal de Nova Lima, no final do ano passado, eu quis saber o que ele andava jogando atualmente, o que estava estudando, etc. Com seu jeito simples e tranquilo ele disse mais ou menos assim: "Tenho jogado peão dama. Não tenho tempo para estudar e não preparo nada. Uso o pouco que sei e escolho meus lances de acordo com a situação do momento. Jogo porque gosto de jogar".

Parece bobagem, mas achei a resposta bastante inspiradora. Principalmente para aqueles que gostam do jogo e às vezes sentem-se desanimados porque não conseguem melhorar o nível! Ora bolas, e daí? Jogar bem, vencer partidas, vencer torneios, todo mundo quer... até eu que sou bobo! Mas se não der, paciência. O bacana é jogar xadrez pelo prazer de jogar xadrez! Mais uma lição de meu mestre!

2 comentários:

Serjao disse...

Jogando muito o nosso amigo Rogério Marão, que bela partida. Começo simples, desenvolveu, colocou o rei em segurança, tudo certo, aí nada simples mais, iniciou um ataque muito bonito, jogando com precisão e sem dar nenhuma chance ao Gazel. Fiquei impressionado e feliz, parabéns Rogério Fontoura.

Masegui disse...

Grande Serjão!

Eu não disse que o "home" é uma fera?
Vou pegar umas aulas com ele...

Abração, meu velho!